Ipam aponta crescimento de 56% no desmatamento nos últimos dois anos

Um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), publicado na última quarta-feira, 02, revelou que a destruição de áreas de floresta na Amazônia aumentou 56,6% entre agosto de 2018 e julho de 2021, em relação ao mesmo período em anos anteriores. 

 

Segundo o levantamento, o Pará é o estado com mais áreas críticas de desmatamento desde 2017. Boa parte da devastação concentra-se no entorno de duas rodovias federais que atravessam o norte do Mato Grosso e o oeste do Pará. 

 

Mais da metade do desmatamento dos últimos três anos aconteceu em terras públicas, 83% em áreas de domínio federal. Em Terras Indígenas, houve alta de 153%, em média, no desmatamento, o que equivale a uma área de 1.255 km². 

 

Segundo o Ipam, se projetos de lei que estão em discussão no Congresso e que defendem a regularização de áreas desmatadas e a atividade de exploração mineral em terras indígenas sejam aprovados, a tendência é que o desmatamento cresça ainda mais. 

 

Para que isso não ocorra, segundo o órgão, é preciso elaborar estratégias regionais robustas integradas aos planos estaduais de prevenção e controle do desmatamento. Além disso, os pesquisadores reforçam que é preciso priorizar as investigações sobre crimes ambientais.l