Pesquisa revela que após ensino remoto, 76% dos estudantes vão precisar do reforço escolar

Uma pesquisa realizada ontem, 14, pela Datafolha, revelou que boa parte dos estudantes que estão retomando às aulas presenciais vai precisar de reforço escolar. Para crianças em idade de alfabetização, o percentual é ainda mais alto. Segundo a pesquisa, 76% delas terão necessidade de algum apoio para complementar o aprendizado.

 

Encomendado pelo Itaú Social, Fundação Lemann e BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), o levantamento ouviu 1.306 pais e responsáveis e 1.850 estudantes de escolas públicas entre os dias 6 e 30 de dezembro de 2021. 

 

Disciplinas como português, matemática, ciências e história, segundo  os pais, são as que mais precisam de reforço, que veem programas de apoio e recuperação nas escolas como uma prioridade, embora metade dos estudantes em escolas que reabriram estejam recebendo aulas de reforço (43%). 

 

O levantamento apontou também que dois em cada dez estudantes correm o risco de abandonar a escola. Perda de interesse nos estudos e a dificuldade de acompanhar as atividades são alguns dos principais motivos para a desistência. Há ainda o medo, por parte dos alunos, de não serem acolhidos diante das dificuldades que tenham no aprendizado durante o período do ensino remoto. 

 

Entre os estudantes que se declararam negros, 19% citaram a falta de acolhimento como um fator que pode levá-los a deixar a escola. Para alunos que se declararam brancos, o número é de 9%. 

 

Os dados revelam ainda que 83% dos jovens que retornaram às aulas no ensino presencial estão evoluindo o aprendizado. A percepção da qualidade da educação recebida pelos estudantes é maior entre os que voltaram a ter aulas presenciais (71%) em comparação aos que continuaram com o ensino remoto (55%).