A relação: Mulher X Dinheiro importa

Por Beatriz Maluf

Toda mulher tem o direito de estar em lugares onde possa prosperar. E para isso, mulheres e todos os que as rodeiam precisam saber e acreditar na capacidade que cada mulher tem em lidar com as finanças. 

 

Se falar de dinheiro na nossa sociedade já é difícil, imagina para as mulheres que até 1960 não podiam ter conta em banco sem a autorização do marido. Que ganham até 30% a menos do que os homens para fazer o mesmo serviço. 

 

Que sofrem com sobrecarga do trabalho do cuidado (Trabalho do cuidado é quando você destina um tempo do seu dia para cuidar de alguém: filhos, marido, casa, idosos e sem receber nada por isso). 

Que através da sociedade, família e vida formaram crenças limitantes, estados mentais adquiridos ao longo da vida sobre certo tema e se tornam verdades absolutas restringindo e impedindo de seguir.

 

 “Homens sabem cuidar melhor do dinheiro do que as mulheres.” O mais certo seria:  mulheres e homens têm a mesma capacidade de cuidar do próprio dinheiro. 

 

A mulher foi historicamente afastada de alguns campos e dinheiro foi um deles. Falar e querer dinheiro era algo proibido e distante. Limitações como essas: da conta bancária e da frase acima deixou marcas que atravessam gerações e atrapalhando muito essa relação: MULHER X DINHEIRO.

 

O fato é que a vulnerabilidade da mulher não está somente relacionada a questões financeiras, mas também a fatores sociais e culturais, porém ocorre que a mulher que tem uma relação mais próxima com o dinheiro, sem se desconectar com a sua essência, tem também mais autonomia para ditar as próprias regras, pois a autonomia (capacidade de se guiar com os próprios meios) gera liberdade e liberdade é ter poder de escolha.  

 

Bem, desde 1960 já se foram 62 anos e hoje a conta bancária já pode ser aberta sem autorização do marido, porém o tabu em falar desse tema persiste. E afinal, o que é preciso fazer para isso mudar? 

 

Primeiro: é importante deixar claro que falar de dinheiro, é falar sobre nós, falar de nossas qualidades, das nossas inseguranças e até mesmo sobre o nosso papel na sociedade. Afinal, como iremos ensinar próximas gerações? Que mundo queremos deixar para essas meninas e meninos? Um mundo com mais igualdade, com mais respeito e amor? 

 

Segundo: todas as mulheres são, sim, capazes de tratar o seu dinheiro, saiba suas prioridades, tenha orgulho da sua história, não se culpe e não julgue nem você e nem as amigas, acolha. 

Terceiro: fale de dinheiro de forma respeitosa e cortês. Você é capaz!

 

Esse já é um bom começo para que esse relacionamento MULHER X DINHEIRO evolua para uma relação mais segura e saudável, de proximidade, de cumplicidade e de autonomia. 

 

Para romper esse ciclo, esse modelo mental e esse distanciamento é simples: converse sobre o assunto, se informe e admire outras mulheres e suas condições.  Admirar e apoiar a história de cada uma, sem julgamento e com acolhimento é um fator de mudança muito importante nesse processo. 

 

Informação, conversa e discussões sobre temas que são tabus, geram confiança e confiança gera liberdade. Dinheiro é, sim, assunto para mulher e quanto mais for falado, maiores as chances dessa relação se tornar mais positiva e forte. Afinal, quanto mais conhecimento, mais confiança, certo? Vamos conversar?  



 



 

Beatriz Maluf 

Mentora de Prosperidade e tem como propósito aproximar mulheres do dinheiro para que possam conquistar liberdade e autonomia. Após uma jornada de 15 anos no mercado financeiro hoje se dedica a estudar o universo feminino e trazer uma nova perspectiva para mulheres.