Em visita a Paraisópolis, Siyabulela, bisneto de Nelson Mandela, compara luta de lideranças do G10 Favelas a força do povo africano

Foto: André Silva / Cria Brasil

Na tarde desta sexta-feira (20), o Pavilhão Social do G10 Favelas recebeu um grupo de executivos norte americanos e da África do Sul, entre eles o ativista e diretor da África da ONG Journalists for Human Rights, Siyabulela Mandela, bisneto do ex-presidente da África do Sul e ganhador do prêmio Nobel da Paz, Nelson Mandela. Na ocasião, o grupo  que forma The Black Entrepreneurs Club (The BEC), Clube de Empreendedores negros em tradução livre conheceu lideranças e empreendedores de impacto social,  que fazem parte do G10 Hub – Acelerador de Negócios.

Na oportunidade, o grupo participou da distribuição de cestas básicas e Siyabulela Mandela discursou sobre a importância da favela resistir e se unir para mostrar a potência que sai das comunidades para o mundo. E como isso se assemelha com a força do povo africano que lutou no período da segregação racial, regime do apartheid, ocorrido entre o período de 1948 a 1990, e seu bisavô esteve a frente da luta e virou referência no mundo todo devido à busca incansável por uma sociedade democrática e igualitária. “Essa força, esse poder, é o que mantém  as pessoas unidas para lutar contra aqueles que gostariam de continuar do jeito que era antes” comentou.

O bisneto de Mandela também recebeu um quadro de presente das mãos do Presidente do G10 Gavelas, Gilson Rodrigues, e do Carlos Leonardo, CEO do Revitaliza Comunidades, responsável pela execução do Colors Of Favela com a imagem de casas com um grafite do Mandela. O quadro faz parte do projeto que visa reverter o valor das vendas de NFTs para o Cores da Favela,  com objetivo de revitalizar casas de moradores em situação de vulnerabilidade social. 

 

Foto: Andre Silva / Cria Brasil

O The BEC visa criar oportunidades e alavancar recursos para o avanço de empreendedores negros. Em 2021, foram apresentados 30 jovens empreendedores negros em 5 continentes e 13 países, com o intuito de construir pontes entre os ecossistemas globais de empreendedorismo negro em todo o mundo. O  grupo quer se  posicionar como um hub para empreendedores de língua portuguesa e conectá-los à comunidades de empreendedorismo no resto do mundo.

Ainda nesta sexta-feira, o grupo se reunirá em um jantar beneficente com objetivo de discutir como apoiar a incubação e o crescimento de empreendedores negros, construir comunidade e gerar impacto real nos negócios.