COPA DA PAZ: Cantareira F.C. representa Heliópolis

A Copa da Paz reune em campo times e histórias, cada equipe traz as suas particularidades, o seu jeito de jogar, as lutas travadas, e exibe o que tem de melhor, o talento dos jogadores.

Por Flaviane Fernandes

O Cantareira Futebol Clube, vem de Heliópolis, lugar onde o futebol tem outros representantes, ao todo são 100 times; e é natural pensar que algo de relevante a equipe precisa possuir para permanecer em um cenário onde há tantos clubes. Robinson Soares do Nascimento, o Bubu, presidente do Cantareira vai logo respondendo: “Somos sobreviventes”, diz.

Nascido no dia 19 de abril, de 1993, O Cantareira é uma homenagem ao avô de Bubu, que havia fundado um time em Arapiraca-AL, com o mesmo nome, fruto de uma inspiração de uma novela da época. Entraram em acordo, ele e os seus tios, e assim nasceu a equipe de Heliópolis. Mas o que no início possuía característica familiar foi aos poucos sendo transformado em clube da comunidade, a lista de nomes como Renato, Dedezinho, Ró, Denilson, Ricardinho, Renan, Fernandinho, Paraiba, Gibson, Zico, Brena, Piá, Antonio, Careca, Bozó, Adriano, Fraldão, Nilson, Henrique, Roger, Zé, Scooby, descreve muito mais do que integrantes da equipe, os apresentam como moradores.

Por ser um dos times mais antigos de Heliópolis, a galeria do clube traz algumas conquistas que são 6 vezes campeão da Copa disputada em Heliópolis, Vice-Campeão da Copa Black 2010, Vice-Campeão da Copa Flor Vila Formosa, 1999, e em 97 a 98 manteve o nome entre os 20 melhores da Copa Kaiser.

Os momentos mais especiais estão registrados na memória de Bubu como a Disputa do Desafio ao Galo em 2005 que foi transmitido ao Vivo pela Rede Vida. A conquista da Copa Heliópolis Sevegalli/Claro em 2010 de forma invicta, vencendo todas as partidas inclusive contra grandes times como Bafometro, Ratatá, Festpan e ganhando a final por 2×0 contra o Sambreja Bool Futebol e Samba do Jd. Elba.
 
Essa é a quarta vez que a equipe de Heliópolis disputa a Copa da Paz, sendo que nas duas primeiras edições a equipe chegou às quarta de final, o presidente do time lembra que no segundo ano, 2010, perderam para a Portuguesa de Paraisópolis, depois de estarem na frente do placar.

São fatos como esses que permeia o futebol, resultados que ficam na memória de quem joga, ou de quem assiste, e o que seria do espetáculo se não fosse os momentos, dos simples aos mais notáveis, assim se escreve a história de pessoas, e porque não de clubes?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.