Arte e cultura nas favelas

Foto Cria Brasil

Por: Daniel Cristovão

 

Quando pensamos nas favelas no sentido musical, muitas vezes vem na mente o Funk ou Rap, mas a diversidade é bem grande, cada comunidade tem sua cultura musical diferente. 

A cultura, como o grafite, passinho, rap, funk, teatro, rodas de samba, são algumas das manifestações culturais que contam sobre a realidade da vida do artista, além de mostrar que a favela produz conteúdos ricos para a reflexão da sociedade.

Nas comunidades, existem grupos culturais e de ritmos diferentes que criam rodas para mostrar e divulgar o seu talento, além de trazer a diversão entre amigos e família. Como o freestyle, que foi onde me encontrei na música, percebi meu talento para expressar sentimentos em uma roda de amigos que observei como fazia o flow e comecei a criar rimas com a rotina dos meus pais.

Em 2019, fundei o Favela Music com a intenção de reunir talentos artísticos em um só espaço, contribuindo para dar mais visibilidade aos artistas das periferias de todo o Brasil. Mas com a chegada da pandemia, uma das áreas mais afetadas foi a cultura, principalmente os shows e festivais, precisamos nos reinventar e iniciar as lives, assim como fizeram outros grupos. 

Para artistas que nascem na favela, fazer lives pode ser um problema pela falta de estímulos e recursos, muitos músicos bons não recebem auxilio ou possuem investidores para evoluir seu trabalho, o que é um grande erro, pois nas favelas existem excelentes cantores, pintores, atores, produtores de filmes e música.

Alguns projetos sobrevivem com a ajuda dos moradores, de pequenos empreendedores da comunidade, colaboradores individuais que acreditam na cultura e na educação como ferramenta para transformação social, mas nada que possa dar tanta visibilidade.

Precisamos ter mais referências periféricas e que vieram da favela, assim como o Sabotage, um rapper, cantor, compositor e ator brasileiro, morador da favela do Canão (SP). Outro artista é o Douglas Silva, ator brasileiro, conhecido por seu papel no filme Cidade de Deus, vencedor do prêmio BAFTA de cinema e prêmio do Satelite Award, e nome da comunidade em que nasceu no Rio de Janeiro. 

A cultura que vem da favela deve ser mais explorada e ter mais visibilidade, existem muitos talentos que precisam ser reconhecidos e levados para o mundo, mas sem investimento e apoio a arte que vem da favela dificilmente será reconhecida.