A democracia é o melhor que temos

Netflix/Divulgação

Por Gideão Idelfonso

A democracia é o pior sistema político que temos, exceto todos os outros. Essa frase famosa de Winston Churchill evidencia o que pessoas em sã consciência já deveriam saber: A democracia é o melhor que temos, existem alternativas melhores? Hoje, eu acredito que não. Não é necessário em uma democracia consolidada que um rei ou um ditador tome conta ou decida o que vou vestir, comer ou falar, basta o meu discernimento.   

Uma vez ouvi de uma pessoa que se a democracia fosse boa não começava com “demo”, frases típicas de correntes de aplicativos para mensagens. Na verdade o tal “demo” em grego significa povo e “cracia” autoridade. Ou seja, um povo que exerce sua soberania  e poder dentro de um Estado, claro, uma visão mais de senso comum comparada à realidade.

Nas terras tupiniquins alguns diriam que a democracia só faz sentido em épocas eleitorais, acredita-se que meu voto seja o exercício pleno da liberdade em igualdade com todos os outros indivíduos, nós escolhemos o que é melhor. Todavia no restante dos dias e anos, a população está mais preocupada em comer, em chegar em casa seguro para fazer a janta, dormir para no outro dia trabalhar e menos com política e democracia.
É bem verdade que no ato do meu voto, a maioria dos eleitores participam da democracia, a dúvida que fica é se esse exercício do voto obrigatório é um fator de educação política. Por outro lado, quando o voto não é obrigatório acredita-se que auxilia na participação daqueles que realmente pretendem ao longo dos anos efetivamente acompanhar a política. E não votar por raiva ou convicções cegas ideológicas. Eu costumo dizer e pensar que nós fazemos política dentro de uma democracia: no bar, na rua, na esquina, não só na urna.
No Brasil de hoje a democracia parece um debate acalorado nas redes sociais, no qual existe um termômetro que em muitos casos auxilia na tomada de decisões políticas que baseado em sentimentos, desejos e escolhas, decide em grupo o melhor para o restante da sociedade como um todo, o que difere de uma ditadura tirana, por exemplo.
As ditaduras em sua ínfima maioria é tomado pelo poder um tirano que reina junto ao terror, que controla a sociedade com punho de ferro acabando com rivais ou pessoas que pensam diferentes dele, criando novas narrativas em sociedades, e assim governando para sempre sem que a população decida qual é o melhor ou o pior caminho a ser seguido. O caso mais atual é do supremo-líder da Coreia do Norte Kim Jong-un.     
Apesar das contradições da democracia como a concentração de poder na mão de alguns grupos, prefiro então assim morar em um estado de direito em que eu possa me manifestar ou ter a sensação que posso, do que em um sistema ditatorial seja de qualquer viés político.
A democracia em sua forma institucional se defende combatendo os ataques às minorias, se deve olhar para o passado e resolver seus tormentos, os fetiches ditatoriais. Pode ser que em um futuro próximo a tecnologia decida por nós políticos confiáveis para nos governar, fato hoje a democracia sim é o melhor que temos. 

Gideão Idelfonso

Cria de Paraisópolis, bacharel em Lazer e Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. Pesquisador com foco na periferia e sua dialética com o Lazer e Turismo. Teve contato com projetos de impacto social em Paraisópolis e em áreas da Zona Leste.