Por um Natal des-conectado

0

Caro Leitor,

Acabo de verificar algumas das estatísticas do meu aplicativo de mensagens instantâneas e chamadas de voz. Ele trouxe os números de quantas mensagens enviei, recebi e os minutos totais que estive conectada.

Levei um susto! Entretanto, números não metem!

Paralelo a esse apontamento…

Aproxima-se a data que, talvez, seja considerada de maior apelo para a confraternização,| encontros, e a impressão que temos é que cada vez mais ela chega assim, meio sem avisar e nos pega de surpresa.

Aproveito o gancho que traz a magnitude dessa época, em que há um estímulo natural do despertar  de nosso lado mais humano, espirituoso, solidário, de comunhão, do bem querer, para te convidar a uma experiência “retro” de alto impacto e grau de dificuldade: Anonimato Natalino!

O que isso representa?

Estar menos conectada com o virtual e experimentar o mundo da desconexão.

Sim, existe uma sensação inusitada nesse ato retrô. Ele nos traz benefícios, nos aproxima, cria raízes.

A intenção aqui, não é apontar aos intensos, é trazer essa intensidade para esse momento especial, num outro formato.

Por fim, a data nos condiciona a estar presente: ao vivo, de corpo, alma e atenção!

P.S. Se você estiver distante dos “seus”, absorva a ideia central e aplique quando achar que os seus excessos virtuais estão lhe prejudicando.
P.S. II Não deixe de contar a sua experiência aqui no Jornal.

Compartilhar.

Autor

É uma entusiasta do Turismo de Aventura e encantada pela Natureza. Atuou no Teatro. Conectada com a arte em suas diversas manifestações. Fã declarada de aeroportos e suas ricas conexões. Profissional do segmento de turismo, empreendedora, mentora e tem como Mestria o Ato de aconselhar.

Deixe uma resposta