Há 50 anos em Paraisópolis, Dona Lazinha passou a metade fazendo trabalhos voluntários na comunidade

3

 

 

Dona Lazinha é uma das moradora mais antigas de Paraisópolis (Foto: Francisca Rodrigues)

Dona Lazinha é uma das moradora mais antigas de Paraisópolis (Foto: Francisca Rodrigues)

Uma das moradoras mais antigas de Paraisópolis, Lázara Rodrigues Cândido, 83, chegou no loteamento da fazenda Morumbi quando as casas ainda davam para ser contadas nos dedos. Segundo a moradora, no lugar dos barracos, que hoje aglomeram-se, havia muito mato e não tinha água encanada,  luz elétrica, transporte público e rede de esgoto

 

Nascida em Jacutinga, Minas Gerais, dona Lazinha, como é conhecida na comunidade,  veio para São Paulo e logo foi morar na Vila Mariana. Alguns anos depois, mudou-se para o Jd. Colombo e em 1964, recém casada, chegou em Paraisópolis. Junto com seu esposo comprou um terreno na  Rua Iratinga, onde mora há pelo menos 50 anos. 

Anos depois, dona Lazinha se divorciou e permaneceu sozinha, não quis arranjar outro companheiro. Acreditava que como já tinha se casado uma vez e não tinha dado certo, deveria trilhar o seu caminho se dedicando aos seus três filhos:  Paulo  de Tarso, Sueli Aparecida e  Silvio César.

Mesmo tendo que cuidar da casa, dos filhos e trabalhar fora, sempre arranjava um tempinho para  participar de reuniões e ações organizadas, que tinham como principal objetivo buscar melhorias para a comunidade. Católica fervorosa, também ajudou Dom Veremundo em visitas constantes a  enfermos e necessitados. “Dom Veremundo era um padre muito bom, ele ajudou muito a comunidade. Até com botijão de gás ele ajudava”, comenta.

Visitava muitas pessoas com câncer e Aids, pessoas que, segundo ela,  normalmente, não recebiam visitas por causa do preconceito. “Nunca tive medo de doença”, relembra. 

Dom Veremundo sabia que podia contar com  a generosidade de dona Lazinha. Por isso, a pediu que ajudasse a médica Rosa Aurea no trabalho que desenvolvia com as gestantes  da comunidade. “Como voluntária, eu ajudava as pessoas que vinham de fora e até hoje eu ajudo. Tem uma médica que trabalha com gestantes, já faz 19 anos que eu trabalho com ela”, afirma.

Em todos esses anos como voluntária, dona Lazinha reconhece a importância do seu trabalho para o desenvolvimento da comunidade. Aos 83 anos, ela afirma que sempre gostou de ajudar as pessoas, tarefa desempenhada por ela até hoje. ” Acho que a gente tem que ser importante para as pessoas , dar uma ajuda para elas”, finaliza.

 

 

Compartilhar.

Autor

Francisca Rodrigues é jornalista, repórter do jornal Espaço do Povo, apresentadora do programa Meia Prosa (Rádio Nova Paraisópolis, 87.5FM) e assessora de comunicação do Luau Paraisópolis.

3 Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: